Pular para o conteúdo
Como preparar seu filho para uma mudança de escola?

Como preparar seu filho para uma mudança de escola?

Alguns momentos na vida são especialmente mais difíceis: a mudança ou a entrada em uma escola nova é um deles. Do ponto de vista do pai e da criança. Hoje falamos como esta experiência pode ser mais dócil e especial para todos.

 

Transição escolar: qual é sua importância?

Muitas crianças conseguem fazer essa transição com sucesso, comportando-se adequadamente com seus colegas, interagindo corretamente com os professores e os novos contextos sociais e, em geral, mostram-se ajustadas, o que permite prever seu sucesso ao longo do ensino fundamental.

Outras crianças não realizam a transição tão facilmente, seja porque não estão prontas para a escolarização, seja porque as escolas não estão prontas para recebê-las.

A prontidão escolar conduz ao sucesso escolar.

Evidências acumuladas revelaram que o desempenho da criança ao longo dos primeiros anos de escolarização – da pré-escola à terceira série do ensino fundamental – tem uma relação importante com o sucesso posterior na escola e na vida adulta.

Consequentemente, compreender como preparar melhor as crianças pequenas para ingressar e ter sucesso no ensino fundamental tornou-se prioridade para pais, educadores, legisladores e pesquisadores.

 

Considera-se que uma criança tem sucesso na escola quando: desenvolve uma atitude positiva em relação à escola e à aprendizagem; cria vínculos sociais de apoio com professores e colegas; vivencia emoções confortáveis e positivas; mostra envolvimento e participação positivos em sala de aula; e mostra realizações e progressos em termos acadêmicos.

 

Meu filho não quer ir para escola! Sente um mal estar súbito quando percebe que o momento de vestir o uniforme está chegando. E agora?

A origem pode ser medo ou insegurança, causado por mudança de fase escolar, mudança de escola (medo do que vai encontrar), dentre outras causas, como o nascimento de um irmão, a morte de um parente próximo, separação dos pais, a superproteção, por exemplo.

Abaixo colocamos algumas dicas para lidar com o problema:

1 – Não brigue. Procure, antes de tudo, identificar a causa do comportamento.

2 – Não a pressione para falar. Converse com calma, fazendo perguntas a respeito do ambiente escolar, para descobrir possíveis conflitos existentes com colegas ou professores.

3 – Se a criança se queixar de um colega ou professor, vá à escola para ver o que está ocorrendo, mas não faça prejulgamentos. Converse primeiro com a coordenação e busque a parceria da instituição para lidar com o problema.

4 – Planeje rotinas tranquilas e descontraídas antes da ida à escola.

5 – Ao deixar a criança na escola, não alongue a despedida mais do que o necessário.

6 – Se a criança apresentar sintomas físicos, leve-a ao pediatra para uma avaliação clínica. Se necessário, o médico poderá encaminhá-la a um profissional de saúde mental.

7 – Não protele a solução do problema, permitindo que a criança falte continuamente às aulas. Quanto maior o alívio que ela sentir ao ficar em casa, mais ela buscará essa alternativa. Concentre suas energias em identificar o problema e adotar o tratamento mais adequado.

 

// Artigo adaptado da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal e Enciclopédia sobre o Desenvolvimento na Primeira Infância, consultados em 27/02/2018.

Deixe uma resposta

Faça um TOUR 360º

Faça um TOUR 360º Clique aqui